17º Aniversário Solas Rotas

33ª Caminhada: Do Luso à Tapada do Buçaco à Lupa

Para finalizarmos a temporada 2011/12, escolhemos uma caminhada mais fresca, e mais acessível para nos deliciarmos com a beleza da Mata do Buçaco. Trata-se de um local, cheio de história e com bastantes pontos de  interesse, que recomendamos a quem ainda não teve o prazer de a conhecer.

Assim sendo, concentramos-nos na Vila do Luso, bem conhecida pelas suas termas e a sua sempre fresca água, com o próprio nome da vila. Depois de conhecer as suas fontes, juntamos-nos bem no centro da avenida Navarro, logo a seguir a uma breve palestra, lá começamos a subir, logo no inicio esperava-nos uma escadaria, que nos iria levar até à porta de Serpa. Já entranhados na mata, o ar fresco e "respirável" já se fazia sentir.


O início da mata 

Depois de distribuirmos os mapas, uma cortesia, da Dra Liliana Duarte da Fundação, o qual não podemos deixar de agradecer, começamos verdadeiramente a nossa "exploração" do local. 


Cruz de Vopeliares (Cruzeiro)

Um pequeno desvio, leva-nos até a um cruzeiro (Cruz de Vopeliares), um momento para descomprimir o esforço da subida, seguidamente entranhamos pelo Vale dos Fetos, um local lindíssimo, e para ainda reforçar a sua beleza, dois lagos a preencher um local encantador.


Escadaria da Fonte Fria

Continuando, por este caminho, somos "interrompidos", por uma escadaria de "grande porte", onde no cimo se encontra a conhecida Fonte Fria. O tempo para as fotos era curto, e como seria por esta mesma, que iríamos descer, nem nos atrevemos a subi-la.


Feto gigante

Este trilho, é riquíssimo em flora, os seus fetos gigantes, e as suas árvores centenárias, fazem-nos andar a passo de caracol, entre um click, e um "oahhh".


Vale dos Fetos


Vale dos Fetos


Eucaplipto centenário

Terminado o Vale dos Fetos, encontramos um eucalipto centenário, que foram precisos 8 pessoas para o "abraçar", alem do seu tronco largo, era impressionante a sua altura.

 
Foto do grupo na Cascata

Passado o "trilho floresta", entramos no trilho da água, onde poderíamos ver enumeras fontes, ermidas, e cascatas (supostamente, visto que a cascata devido à escassez da chuva, estava sem água).
Aproveitamos para tirarmos a foto de grupo, para mais tarde recordarmos.

 
 Palace Hotel

Depois da foto de grupo, depois de passarmos as fontes S. Silvestre, Santo Elias, e Santa Teresa, foi tempo de pararmos na Fonte do Carregal, para almoçarmos. Bem antes de descermos para o Palace Hotel.
Após um cafézinho, houve tempo para apreciarmos os jardins do hotel, uma pequena visita à casa da Mata (local onde se pode adquirir mapas, e produtos confecionados na mata). Mais tarde foi tempo de partimos para a "2ª parte", onde iríamos desta feita, entrar no trilho da Via Sacra, em direcção ao Miradouro da Cruz Alta (local mais alto da mata).


Cedro de S. José

Pelo caminho ainda encontramos a árvore mais antiga da Mata, o cedro de S. José, que a sua data rondará o ano de 1644, uma árvore imponente, e "blindada" aos "grafittis" de alguns inconscientes. Tempo ainda para se ver a entrada da gruta de S. Pedro.


Trilho da Via Sacra


Vista da Ermida

Um pouco antes de atingirmos o topo, ainda podemos ver a vista panorâmica sobre o Palace Hotel. Bem por trás da Ermida do Calvário.

A subida para a Cruz Alta, faz-se atravez de uma escadaria, onde o "à ir e voltar" se faz sentido, visto que se trata de um ponto um pouco afastado do caminho.



Quem muito sobe, muito desce, foi assim, após a visita à Cruz Alta, o tempo começava a apertar, e ainda faltava um pouco para terminarmos a nossa caminhada. A descida foi feita um pouco mais rápido, mas mesmo assim ainda houve tempo para visitarmos a capela de Santo Antão, e pouco tempo depois, estávamos nas Portas de Coimbra.


Portas de Coimbra

Agora estava na hora de regressarmos, continuando o trilho, passamos novamente a Fonte Fria, mas desta vez pela parte superior, descendo a escadaria, até ao lago.

Depois de umas boas horas na mata, regressamos ao Luso, para finalizarmos a nossa caminhada. Ainda houve tempo para uma visita guiada ao Convento de Santa Cruz, de forma a percebermos melhor a historia daquele convento.

Um agradecimento à Dra Liliana da Fundação da Mata do Buçaco, e uma palavra de FORÇA para o Super Mário.

Mais Informação:
  • Percurso: Do Luso à Tapada do Buçaco
  • Local: Mata do Buçaco (Mealhada)
  • Partida/Chegada: Vila do Luso (Mealhada)
  • Tipo: Circular
  • Distância: 9 km
  • Duração: 3/4 horas
  • Grau: Médio
  • Sinalizaçãoo: Nenhuma
  • Pontos de Água:3
  • Exposição Solar: Baixa
  • Pontos de Interesse: Vila do Luso, Fonte Fria, Vale dos Fetos, Palace, Convento Santa Cruz, Cedro S. José, Miradouro Cruz Alta
  • Participantes: Sérgio, Francisco, Daniel, Mário Araújo, Dores, Carla, Leonel, Rita, Rocha, Ricardo, Agostinha, Mário Rocha, Joana, Manuel, António, Pinto, Sónia, Marta, Luís, Anabela, Peter, Miguel, Conceição Teixeira, Luís Silva, Alzira, Jorge Neves, Saúl, Conceição, Cristina Matos, Guilherme, Carlos Matos, Gabriela,  Alexandra, Sérgio Silva, Matilde, João, Paulo, Rosária, Mikhaela, Anastasia, Ariadna, Vítor, Catarina, Catarina Antunes
  • Dicas: Água, roupas adequadas às condições atmosféricas, Chapéu, Protector Solar, Repelente de Insectos
  • Mapa:
  • Organização: Solas Rotas
  • Outras informações: Fundação Mata do Buçaco, Mata do Buçaco, Camara Municipal da Mealhada
  • Mais trilhos: Aqui

MapaKMLPerfil de Elevação

Comentários

  1. obrigado a todos pelo apoio prestado, vocês foram excepcionais connosco. a agora só resta esperar pela recuperação do nosso Super Mário. um beijo grande para todos!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário